segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Mensagem de Natal

O Natal representa o renascimento da humanidade pela vida de Cristo. Independente da religião, todos os cristãos devem refletir sobre o que tem feito para dar continuidade ao que Jesus veio fazer: unir o mundo.

Ao contrário de todo ódio, de todo separatismo que alguns pregam, eu gostaria de pedir o respeito àquela mensagem bíblica:

Amar ao teu próximo como a ti mesmo


porque o respeito mútuo é a fonte de toda boa convivência no nosso lar, no nosso trabalho e até em escala global entre as diferentes nações.

A disseminação do ódio, do desejo de ser superior, faz com que alguns países travem guerras malditas, em nome de algo que não se justifica, matando pessoas inocentes. Esse mesmo mal vem à tona dentro de nosso país, nas nossas proximidades, quando incitamos a violência contra nossos semelhantes que, por algum motivo, nos são diferentes... A não aceitação, o não respeito às diferenças nos cria tormentos que vão de encontro com nosso pensamento cristão: enquanto aprendemos a semear o amor, alguns agem contraditoriamente semeando a violência. Outros, hipocritamente, agem com intolerância, enquanto pregam um discurso de amor em Cristo.

Devemos abrir nossa janela e enxergar além do espelho: o espelho nos reflete, nos dá uma visão limitada do que está à nossa volta, enquanto a janela nos dá a visão do mundo, do externo a nós mesmos, de todas as possibilidades.

Desejo que este Natal de 2010 seja pleno de paz, amor, tolerância, respeito às diferenças.

Desejo que, indepentemente da visão política, da crença religiosa (ou da não crença), da orientação sexual, da cor de cabelo, da etnia, que todos sejamos abençoados pela fonte de toda vida: Deus!

Feliz Natal e ótimo Ano Novo a vocês, amig@s!


"ano novo
anos buscando
um ânimo novo" 
(Paulo Leminski)

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A dor da perda

Era uma vez dois amigos bem unidos, que quase nunca de desgrudavam. Eles eram amigos de segredos, de conversas sobre amor, dor, perspectivas... Falavam do passado pra medir as conquistas do presente. Falavam do futuro, não daquele distante, mas do que poderia estar mais próximo: a necessidade de trocar de trabalho, de ter uma casa, uma companhia...
A melhor parte da amizade era o companheirosmo, a parceria de ir junto pra balada, sair pra paquerar, viajar pra cidades próximas pra curtir festas... Muita risada, muitas histórias eles tinham pra contar.
Mas como nem tudo é feito de momentos bons, eles trocavam histórias tristes também. Histórias de desilusão amorosa, por exemplo. De uma ficada que não deu em nada. De um noivado mal sucedido. De um namoro frustrante...
Outra história triste foi o desemprego. Um dos amigos, que era negro, foi demitido de um banco depois de passar por sérios problemas de saúde. Ele teve hipertensão, pressão alta, e estava de licença médica com frequência. O banco dispensou-o, sem maiores rodeios. Iniciava-se ali um longo período de tormento na vida desse amigo: como conseguir outro emprego? Parecia simples: um bom currículo, um cara bem articulado, bem capacitado, mas isso não foi suficiente para que ele conseguisse um novo emprego. Ficou meses sem trabalho, sem produzir, sem dinheiro entrando, mas tendo que pagar contas.
Nesse período os dois amigos se falavam bastante, quase que diariamente, ou na hora do almoço, ou à noite. Foi uma época de muita conversa, de consolidação da amizade.
Esse amigo desempregado, passado um tempo, conheceu uma pessoa. Muito bacana, pé no chão, sabia o que queria da vida. Resolveram os dois irem embora da cidade: teriam a chance de morar juntos e conseguir um emprego em uma cidade maior. Foram para Curitiba. Um lugar cheio de promessas, de novidades, de oportunidades.
De fato, conseguir trabalho em Curitiba não foi nada difícil, era possível mudar de emprego toda semana, todo mês: sempre haveria uma oportuniade se algo não estivesse bom.
Entretanto, nem tudo é perfeito sempre, e nesse troca troca de emprego, aquele amigo voltou a amargar um período difícil... Seu amor estava ali, ajudando no que podia, mas outro período de desemprego não era fácil. Começaram a surgir algumas brigas mais sérias entre o casal, criando certa instabilidade. Já se cogitava a separação, mas sem grana, ir pra onde? Voltar para casa da mãe nem pensar... Continuaram dividindo o espaço, mas separados...
Até que chegou num ponto que não teve jeito. Sem trabalho e morando com ex, aquele amigo voltou pra casa da mãe... Nesse período todo da viagem, pouco mais de um ano, os amigos perderam contato, o que era natural, a vida de cada devia continuar... Mesmo após a volta daquele que tinha ido tentar a vida fora, eles se viam pouco, mas isso nunca dimunuía a amizade deles...
Um domingo à noite alguém me chama no msn:
-Will, vc ta sabendo de fulano?
-Não, o q aconteceu???
-Fulano faleceu!
-Como assim? Qdo isso, como? Imagina...
-É... vi no orkut dele uns recados sobre isso.
-Vou checar e te falo se descobrir algo.

Ligava no celular do meu amigo, e nada... Na casa dele, e nada... Eu me desesperei, sem saber o q fazer. Segundo tinham me dito, ele teria morrido no sábado e seria enterrado ás 16h de domingo. Quando fiquei sabendo, já passava das 17h...
Um tempo depois meu celular tocou. Era o número dele.
-Alô.
-Alô, quem fala?
-É fulana, madrinha de fulano. Você queria falar com ele?
-É. Vi umas mensagens no orkut dele e queria saber se é verdade.
-Sim, infelizmente, perdemos nosso querido. Acabamos de chegar do enterro...
-Mas como isso aconteceu?
-Ele teve uma pneumonia muito forte, ficou internado vários dias, mas não resistiu. Tem outra coisa, mas não posso te falar...
-Está bem. É muito triste isso...
-Sim, é uma perda muito grande pra gente.
-É... Obrigado por ter ligado de volta.
-Ok. Xau.

Bom, é horrível ficar sabendo que seu amigo morreu quando ele já está enterrado. Não pude dar um abraço na família naquele momento, não pude velar o corpo dele (apesar de não gostar de velório, mas quem gosta?)... Mais triste que isso é não ter tido uma última conversa com ele... Tivemos, mas não sabia que seria a última!
Bom, sobre as circunstâncias da morte do meu amigo, eu sabia o que era quando ela disse que não podia me contar outra coisa...
Parti pra investigação. Consegui contato com alguém da família e tive a certeza: ele estava com AIDS. Sim, AIDS, ou SIDA, se preferir a sigla em português. Bom, ter essa notícia foi um baque, talvez tão grande quanto o da morte... AIDS é uma doença que parece tão longe da gente. Sabemos que ela existe, mas não a conhecemos de perto. Enganosamente pensamos isso. Ele tinha HIV e não contou pra ninguém. Pelo menos ainda não encontrei ninguém que soubesse disso. Como ele se contaminou? Transando sem camisinha!
A mensagem é clara: use camisinha sempre!

Fiquei tão chocado, tentando imaginar como ele conviveu com isso sem contar pra ninguém, como segurou esse peso todo sozinho... Porque, ao que tudo me indica, ele sabia da sua condição de portador do vírus HIV. E optou por não se tratar. Uma escolha dele, claro, e não cabe a mim discutir isso. O que me preocupa é o seguinte: tendo ele descoberto ser soropositivo, preferiu não acreditar nisso e fingir que nada havia de errado e continuar sua vida como antes, ou se protegeu nas relações sexuais que manteve? Essa é minha única angústia: a possibilidade de ele ter transmitido esse vírus para outras pessoas!
Estou tentando conversar com algumas pessoas que conheço, ou que encontro, que sei que já se relacionaram com ele. Mas isso não é fácil. Como vou achar todo mundo? Impossível. O mais difícil é o silêncio da família, que, apesar de ter me contato da doença porque sabia que eu era muito amigo dele, pediram pra que eu não dissesse a ninguém. Sinto muito, mas prefiro ser visto como inimigo da família a ver outras mães perdendo seus filhos... Não é uma questão de desrespeitar a vontade da família dele, é uma questão de proteger a vida de outras pessoas, de preservar outras famílias.
Tem sido um processo doloroso lidar com a morte, pensando nele quase todos os dias... Mas vou superar isso; afinal, minha vida tem que seguir!
Bom, aos que ficaram curiosos pra saber como ele morreu: pneumonia. A AIDS se manifestou, deteriorando o sistema de defesa do organismo. Uma gripe virou algo de outra dimensão. Ficou fraco, pneumonia forte, pulmão parou...
É um sofrimento sem fim perder um amigo e imaginá-lo sofrendo com a morte que ele esperava.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

AS MÁSCARAS DO DIZER: A PRAGMÁTICA DA HOMOFOBIA - artigo

Car@s amig@s,

Segue abaixo link com a edição 6 da Revista Levs (UNESP/Marília) - Revista Virtual do Laboratório de Estudos da Violência e Segurança - em que eu publiquei um artigo, que teve origem na minha monografia apresentada no fim do curso de pós-graduação lato sensu na UNESP de Assis, tendo sido orientada pela professora Sandra Ferreira.

Segue também o resumo do artigo; assim, poderão saber do que se trata e, quem se interessar, poderá ler o texto completo.

http://www.levs.marilia.unesp.br/revistalevs/edicao6.htm
http://www.levs.marilia.unesp.br/revistalevs/edicao6/Autores/11_as_mascaras_homofobia.pdf
---
AS MÁSCARAS DO DIZER: A PRAGMÁTICA DA HOMOFOBIA


Resumo
: O presente trabalho aborda a Pragmática no âmbito da linguagem humana em uso, sondando a perspectiva da ação entre falantes no interior da língua. Para desenvolvermos este trabalho, analisamos um corpus constituído por requerimentos, por meio dos quais mostramos a construção da formação ideológica homofóbica. Analisamos, especificamente, dois requerimentos protocolados na Prefeitura de Marília, cujo conteúdo é uma reclamação de moradores de um condomínio contra um estabelecimento vizinho ao prédio onde residem que é voltado ao público LGBT.

Palavras-chave: Linguística Aplicada. Língua Portuguesa. Pragmática. Filosofia da Linguagem. Homofobia.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Uma esmola de Natal

Após a Dani receber o e-mail a seguir:

Assunto: CAMPANHA DE NATAL 2010

 
Siga a lógica! 

Já que mais de 55% do povo votou na Dilma, significa que essa porcentagem está feliz com a atual situação econômica do país. É provado que essa porcentagem é formada, em sua grande maioria por pessoas pobres. Certo? Ou seja, os pobres estão, teoricamente, felizes porque a situação financeira deles melhorou!!!

Então... se os pobres estão felizes... CHEGA DE CAIXINHA DE NATAL PRO CARTEIRO, VARREDOR DE RUA, FUNCIONÁRIO DA SABESP E DA ELETROPAULO E ETC!!! CHEGA DE DAR PANETONE PRO PORTEIRO!!! CHEGA DE DAR ESMOLAS NAS RUAS!!! NÃO PRECISAMOS MAIS AJUDAR ESSE POVO TODO!!!!

 
OBRIGADO DILMA!!! VAMOS ECONOMIZAR UMA GRANA NESTE NATAL!!!

 eu respondi pra ela o que diria àquele ser:

Senhor, o que você está propondo é a separação do mundo entre os ricos e os pobres. Isso é evidente quando você diz que "55% do povo votou na Dilma" e que "é provado que essa porcentagem é formada, em sua grande maioria por pessoas pobres". Talvez você responda que não é separação, é que os ricos precisam dos pobres e os pobres dos ricos, tem que haver um equilíbrio que tem que ser mantido, ao que eu responderia: você diz isso porque tem quem lave seu banheiro e precisa manter essa relação de "superioridade" em relação a alguém que não teve oportunidade, nos governos anteriores, de ter acesso à educação, fazer faculdade e ter uma outra profissão. Pessoas como você não querem que os pobres tenham acesso ao estudo, porque deixarão de ser os que varrem a rua, recolhem o lixo, lavam o banheiro, vigiam a portaria do seu condomínio. Você tem razão em dizer que não precisará mais ajudar "esse povo todo", porque o governo tem criado mecanismos para tirar tanta gente da miséria - há ainda cerca de 20 milhões de miseráveis no país, mas mais de 20 milhões já deixaram essa condição e passaram a fazer parte da classe consumidora. As classes C e D tem mais poder de compra que a classe B. Isso quer dizer o seguinte: tem mais pobres  da classe média ascendente comprando do que os da classe média decadente (que se acham a elite fina do país...) pode comprar.
Veja essa notícia, que deve chocar os elitistas (que representam uma elite decadente, como já disse...):

Pela primeira vez neste ano, a massa de renda das famílias da classe D vai ultrapassar a da classe B, apontam cálculos do instituto de pesquisas Data Popular. Em 2010, as famílias com ganho mensal entre R$ 511 e R$ 1.530 têm para gastar com produtos e serviços R$ 381,2 bilhões ou 28% da massa total de rendimentos de R$ 1,380 trilhão. Enquanto isso, a classe B vai ter R$ 329,5 bilhões (24%). A classe B tem renda entre R$ 5.101 e R$ 10.200. O maior potencial de compras, no entanto, continua no bolso da classe C: R$ 427,6 bilhões. "Mas é a primeira vez que a classe D passa a ser o segundo maior estrato social em termos de consumo", afirma o sócio diretor do Data Popular e responsável pelos cálculos, Renato Meirelles. Ele considerou nos cálculos a expectativa de 7% para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.
De oito categorias de produtos avaliados pelo instituto de pesquisas, em quatro delas o potencial de consumo da classe D supera o da B para este ano. São elas: alimentação dentro do lar (R$ 68,2 bilhões), vestuário e acessórios (R$ 12,7 bilhões), móveis, eletrodomésticos e eletrônicos para o lar (R$ 16,3 bilhões) e remédios (R$ 9,9 bilhões).
Em artigos de higiene, cuidados pessoais e limpeza do lar, os potenciais de consumo das classes D e B são idênticos (R$ 11 bilhões). Os gastos da classe B são maiores que os da D em itens diferenciados: a alimentação fora do lar, lazer, cultura e viagens e despesas com veículo próprio. A dança das cadeiras das classes sociais no ranking do potencial de consumo reflete, segundo Meirelles, as condições favoráveis da macroeconomia para as camadas de menor renda. Isto é, o aumento do salário mínimo, os benefícios sociais, como o Bolsa Família, e a geração de empregos formais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.)

Note que essa notícia saiu em um jornal que eu não aprecio e que o senhor deve adorar, o Estadão, que de ÃO só tem o nome mesmo...
Veja, você está reproduzindo uma ideia de que a elite deve dominar os outros, porque são supostamente o que há de melhor numa sociedade. A própria definição de eleite é de uma minoria prestigiada (quando o mais adequado seria dizer privilegiada), da qual você deve fazer parte e sente-se incomodado com a inversão do poder de consumo. Deixar de ser elite, de ser privilegiado deve ser realmente algo que causa tamanho incômodo... Você defende a manutenção da Casa grande versus a Senzala. A filosofia política, lá pra séculos e séculos atrás, já discutia a questão: Aristocracia: governo de poucos. Democracia: governo do povo.
Ao reproduzir um e-mail elitista, você defende que essa tal "elite" dos melhores governem e pensem apenas em manter seu status de melhor, como se essas pessoas tivessem nascido melhores e por isso devam continuar naquele lugar que lhes é seu por "direito". Percebe?
Lembremos da importância do ProUni, que está formando mais de 700 mil pessoas que, sem essa bolsa de estudos, talvez a maioria jamais poderia se formar e fazer parte da classe de intelectuais do país. Basta pensarmos o seguinte: o FHC, doutor pela França, nunca fez um projeto deste tipo, mas o "jeca" do metalúrgico do Lula conseguiu o feito de colocar o povo pra fazer faculdade, eliminando esse tal elitismo que o e-mail que você repassou defende.

É um horror! Só faltou ele dizer "isso é uma vergonha", como fez Boris Casoy, que disse que os garis, do alto de suas vassouras, desejaram feliz natal ano passado...

Páginas