domingo, 16 de maio de 2010

Olhar de criança

Foram-se os tempos em que éramos inocentes. Aqueles tempos em que brincávamos sem malícia, que ríamos e chorávamos, nos emocionávamos. Éramos verdadeiros e sensíveis.

Foram-se os tempos em que não pensávamos no futuro, apenas brincávamos e vivíamos o presente. Sonhávamos em ser doutores, sem pensar nas dificuldades da vida. Apenas sonhávamos.

Foram-se aqueles dias remotos, longínquos, sem volta. Sobra-nos apenas a lembrança de uma época sem corrupção, sem preocupação, só amor.

Agora, vivemos de preocupações, pensando no que vamos fazer amanhã e quase não nos lembramos do tempo em que éramos crianças.

Deixamos de ser puros e entramos no mundo de “gente grande”. Temos que ser espertos, não podemos brincar, rir, chorar de emoção. Choramos sim, de desilusão pela vida.

Passamos a entender a miséria e a fome. Choramos pelos drogados, pelos bêbados, pelos loucos, que não têm culpa de o mundo ser como é, de os excluir. Choramos porque somos seres humanos e adultos, não somos mais crianças. Vemos e entendemos o mundo. Fazemos parte dele e temos consciência disso. Sabemos, mas fingimos que não, que também fazemos parte dos culpados, porque quantas vezes pudemos ajudar e nos negamos. Negamos por preguiça, por medo, por desilusão, por vergonha. Mas quando precisamos de ajuda, pedimos e reclamamos sua falta. Somos hipócritas.

Então, olhando uma criança, vi seu sorriso e sua expressão, e pensei quão pequenos são os meus problemas perto dos problemas do mundo todo, dos miseráveis, dos bêbados, dos drogados, dos loucos. Olhando uma criança vi tudo isso, porque a vi e ao mesmo tempo vi o mundo e vi como tudo muda quando crescemos e deixamos de pensar que, embora adultos, ainda somos seres humanos.

PS: este texto foi escrito em 2002

2 comentários:

  1. Nossa que lindo e ao mesmo tempo reflexivo o que você passa ao escrever.
    Concordo com o que você disse,só tem um porém. Quando eu tornar-me adulto, e passar a encarar o mundo de uma forma diferente, "como gente grande", eu espero chorar de emoção e não de desilusão! =/

    ResponderExcluir
  2. Ai meu amado!

    Seu texto me tocou profundamente...A infância realmente é uma fase decisiva em nossas vidas. Q pena q crescemos, pois só na infância nos comovemos com docura e facilidade.
    Aiaiaia Qdo crescemos perdemos este dom de nos comovermos.
    Eu adorei o texto.
    Bem-vindo a vida de blogueiro.
    Vou te divulgar no twitter.
    Te amo

    ResponderExcluir

Páginas