segunda-feira, 21 de março de 2011

Devaneio de uma noite de outono

Eu estava entorpecido naquela noite gelada. Não era um torpor pelo frio, menos ainda pelas drogas que eu não uso, era reflexo de uma vida toda. Eu estava paralisado, tranquilizado. Acho que eu sonhava naquele momento, porque parecia tudo incrível. Eu estava deitado no colchão, sendo velado, observado quietamente. A conversa parecia distante, longe lá no fundo. Me lembro dos rostos, dos sorrisos nossos. Ficamos conversando, conversando... O tempo não era mais um tigre, era uma estátua no jardim. Fazia Tic e custava a vir o Tac, longamente, para meu prazer e para a manutenção dessa foto que trago na memória. Ficamos juntos tanto tempo, com abraços, beijos - era muito carinho, coisa de cinema! Era uma cena rara: deitados no colchão, eu sendo observado e ouvindo: como você é lindo... Acho que sonhava acordado, um devaneio. Fecho os olhos e revejo aquele momento todo de torpor, de amor, do calor que me aqueceu naquela noite fria...

Trilha sonora: Wish you were here, da Avril Lavigne

Um comentário:

  1. Outono é minha estação favorita pelo seu amarelado...e pela possibilidade de morte. E depois da vida na primavera.
    Lindo texto...pura poesia e amor. Vc é tão doce.
    Te adoro.

    ResponderExcluir

Páginas